terça-feira, 9 de abril de 2013

POSTAGEM EM NOSSO FORUM DE ESTUDOS DE LETRAS - UCB - O DEBATE NOS ENRIQUECE!

Caros Clemilda, Wilma e Leonardo,

Segue abaixo um pequeno trecho de Marcos Bagno pra nossa reflexão. Penso que vale a pena também ler Sírio Possenti neste aspecto.
(...) Da mesma forma, nenhum linguista sério, brasileiro ou estrangeiro, jamais disse ou escreveu que os estudantes usuários de variedades linguísticas mais distantes das normas urbanas de prestígio deveriam permanecer ali, fechados em sua comunidade, em sua cultura e em sua língua. O que esses profissionais vêm tentando fazer as pessoas entenderem é que defender uma coisa não significa automaticamente combater a outra. Defender o respeito à variedade linguística dos estudantes não significa que não cabe à escola introduzi-los ao mundo da cultura letrada e aos discursos que ela aciona. Cabe sim à
escola ensinar aos alunos o que eles não sabem!
Parece óbvio, mas é preciso repetir isso a todo momento. Não é preciso ensinar nenhum brasileiro a dizer “isso é para mim tomar?”, porque essa regra gramatical (sim, caros leigos, é uma regra gramatical) já faz parte da língua materna de 99% dos nossos compatriotas. O que é preciso ensinar é a forma “isso é para eu tomar?”porque ela não faz parte da gramática da maioria dos falantes de português brasileiro. É dever da escola apresentar essa outra regra aos alunos, de modo que eles — se
julgarem pertinente, adequado e necessário — possam vir a usá-la
TAMBÉM.

Marcus Bagno , em 16.05.2011: POLÊMICA OU IGNORÂNCIA?DISCUSSÃO SOBRE LIVRO DIDÁTICO SÓ REVELA IGNORÂNCIA DA GRANDE IMPRENSA.
Universidade de Brasília
www.marcosbagno.com.br

MINHA RESPOSTA:
 
Caro colega Jorge, Professora e colegas!
 
Perfeita essa reflexão do Professor Bagno e que certamente só vem ao encontro do que é, como ele mesmo disse, o óbvio, mas que muitas vezes por uma mania de sermos "populistas", “bonzinhos”, “liberais” queremos renegar o conhecimento da gramática culta a algo burguês, desnecessário, sectário,  que humilharia os nossos alunos e seria algo inútil ou desnecessário.
Ridículo. Quando ouço as falas de nosso Ministro Joaquim Barbosa me pergunto se ele falasse "pra mim aprová essa lei" se consideraríamos bonito ouvir isso, ou nos chocaria...
Acho comum associarmos o conhecimento da língua portuguesa ao fato das pessoas terem acesso a boas escolas já que vivemos um país com o ensino público sucateado, escolas destruídas, professores mal pagos, violência na escola e uma profissão que se tornou pouquíssimo atrativa de alguns anos para cá (somente 5% dos estudantes pretendem ser professores!).
Não é porque uma pessoa tem origem humilde, filho de pessoas humildes, estudante de escola pública como o Ministro Joaquim Barbosa que, necessariamente, ira estar restrito para o resto de sua vida a uma variedade linguística X ou Y e que lhe será negado o direito de conhecer outras formas e aprender a norma culta para, como disse também o Professor Bagno “se julgarem pertinente, adequado e necessário — possam vir a usá-la”.       
Certamente, o menino Joaquim Barbosa teve em sala de aula um professor que mostrou a ele as letras e exigiu dele bons resultados. E, claro, o menino Joca (seu apelido de infância) ouviu e se esforçou. Ninguém chega ao alto da montanha sem suar.
Estou preocupada com a nova política do governo de passar alunos de ano mesmo sem terem nota! Progressão continuada? Ensino sucateado, método criado para fingirmos que os alunos aprendem enquanto fingimos que ensinamos?
Ou um método mais tranquilo, em que a duração destes ciclos dá ao aluno uma oportunidade mais longa para aprender e recuperar o conhecimento que ficou para traz? Eu, particularmente, sou contra totalmente esse ensino com progressão continuada. Falta respeito ao aprender realmente, ao esforço de melhorar.
Queremos passar a mão na cabeça dos estudantes e esquecemos que devemos também força-los a aprender, mostrar a eles que o suor e o esforço tem sua recompensa, que nada virá assim, gratuitamente, sem dedicação ao estudo.
Alguns professores e educadores afirmam que poderia ser produtivo se fosse acompanhado individualmente mas não é, não há um olhar para o processo de aprendizagem. Já outros acreditam que retirando a reprovação e ajudar na aprendizagem, ensinar a aprender.
Mas não é porque uma pessoa tem origem humilde, filho de pessoas humildes, estudante de escola pública e que, como o Ministro Joaquim Barbosa que, necessariamente, ira carregar para o resto de sua vida uma variedade linguística e lhe será negado o direito de conhecer outras formas e aprender a forma culta para, como disse também o Professor Bagno “se
julgarem pertinente, adequado e necessário — possam vir a usá-la
”.
Gostaria também de observar que, mesmo nós, alunos de Letras, cometemos erros crassos e devemos estar atentos. A responsabilidade de sermos futuros educadores pede a nós um esforço extra para nos tornarmos mais letrados,  mais interessados pela nossa Gramática, pela grafia correta das palavras, por uma concordância verbo nominal mais reta. Todo dia me pergunto: o que eu posso fazer para ser melhor, como pessoa, mãe e futura educadora? A estrada é longa, exige esforço, temos medo de errar, mas o importante é continuar.
 
abraços a todos !
Agnes Maia
 
 
 foto do ministro Joaquim Barbosa - Presidente do Supremo Tribunal Federal
Joaquim Barbosa nasceu em Paracatu, noroeste de Minas Gerais. É o primogênito de oito filhos. Pai pedreiro e mãe dona de casa, passou a ser arrimo de família quando estes se separaram. Aos 16 anos foi sozinho para Brasília, arranjou emprego na gráfica do Correio Braziliense e terminou o segundo grau, sempre estudando em colégio público. Obteve seu bacharelado em Direito na Universidade de Brasília, onde, em seguida, obteve seu mestrado em Direito do Estado
"Não sabendo que era impossível, foi lá e fez" Jean Cocteau
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

OBSERVE QUE NÃO SERÁ ADMITIDO EM HIPÓTESE ALGUMA COMENTÁRIOS AGRESSIVOS. EM NENHUM GRAU DE AGRESSÃO. E ISSO É SUBJETIVO POR ISSO EU POSSO ACHAR UMA COISA QUE VOCE NÃO ACHA RUIM, MUITO AGRESSIVA E PORTANTO NÃO POSTAR. TAMBÉM NÃO PODE ANUNCIAR NEM VENDER NEM FAZER PROPAGANDA DE NADA. OBRIGADA!